3
Dia 3, terça-feira, 08/01/2008

Punta del Diablo a Montevideo, passando por Minas , 400km

Acordei com barulho de trovoada... ou seriam fogos na rave de punta del diablo ? É, tá chovendo mesmo, e o dia começa a clarear. Bom, nao vou sair na chuva, né, vou dormir mais um pouco.... A chuva parou, ja tem mais luz, levantei, dessa vez a moça perto da porta ta com as pernas em cima da cama, na recepção tem um alemao dormindo no sofa, o conterraneo Fabio ta sentado, cochilando, a outra chica da recepção ta la fora, admirando a tempestade azul violeta que vai pro mar, e no horizonte um sol alaranjado, bela combinação... E a moto ta la, na areia, molhada, sera que vai pegar ?


depois da trovoada

Coloquei um calção, fui dar um mergulho; as ruas vazias, quase ninguem, são 7:00, passa um grupo meio que cambaleando... A agua fria, ondas, bom pra acordar, no vilarejo adormecido. Banho, me vesti pra estrada, tirei minha bagagem do quarto tentando nao acordar os vizinhos, tudo certo no checkout, adios, me voy, montei a bagagem na moto, ta fresquinho, vou com a jaqueta vestida, sera que a moto pega, pegou...


tranquilo, el diablo...


hora de partir


a aldeia


arquitectura al amanecer

Um passeio pela orla, agora faz sol, ainda raso, começam a aparecer as caras de sono, me despeço del Diablo; fui pra ruta 9, rumo a Punta del Este, e Montevideo, a ruta continuava reta e vazia... E segui adiante, em Castilhos rosolvi sair da ruta 9, ir pelo litoral, rutas 16 e 10, passando por Aguas Dulces, meio primitivo...


pingos

Logo cheguei a entrada de Cabo Polonio, tinha moças na beira da ruta com cartazes anunciando excursoes, haviam me dito no hostel que vale a pena, que da pra chegar so de 4x4, nao é coisa pra minha miraginha... na proxima, mais um motivo pra voltar... em frente.


planos e ceu azul

As estradas continuavam bem razoaveis, sem movimento, os balnearios Punta Rubia, La Pedrera, Costa Azul, La Aguada, tranquilos, nada muito emocionante, mas simpaticos, ate chegar a La Paloma, o segundo maior balneario, depois de Punta del Este. Chega-se por uma estrada mais sinuosa, antes do centrinho tem um bosque com cabanas de telhado de colmo, vila do Asterix... tem um Youth Hostel no meio das arvores, legalzinho...


asterix


youth hostel


passeio no bosque

Logo em seguida a avenida central, perpendicular ao mar, larga com um jardim no canteiro central, tranquilo o lugar, uma solitaria torre de aptos, uns 15 andares, o sol continua forte, muitas casas legais, reparou que nao tem muros ?


cercas ?


casinha


mais asterix


apart-hotel


casa do chefe


beira mar

Urbanisticamente parece que nao ha a mesma obsessao pela vista pro mar... em La Paloma, a tal avenida central termina numa praça a beira mar, lugar bonito, vale a visita.


bandeiras ao vento


estacion de servicio Ancap

De La Paloma, ruta 15 de volta pra 9, Rocha, ja to craque nos numeros. O tempo fechou, passei por baixo de uma imensa nuvem negra, como é tudo muito plano da pra ver que la adiante esta o sol, acelero.


de volta a ruta


escapando da chuva


a beira do caminho

Antes de San Carlos entrei a esquerda em direcao ao litoral, estava chegando na regiao de Punta del Este, os carros nao sao mais os tipicos uruguayos, meio acabados, mas Mercedes, Audis, Bmws, muitos com placas argentinas.


aparece punta

Construçáes maiores, jardins mais verdes, em vez das motonetas uma Harley, chego na ruta 10, a direita fica Punta del Este, em frente o mar, azul, o vento, calor, asfalto impecavel. Citando colegas, em Punta a natureza foi prodiga, e o dinheiro fez o resto, nao sei de quem é o original, mas essa afirmacao circula pelos relatos de viagens ao Uruguay, e com razão... Ate é legal o litoral mais ao norte, mas se for analisar melhor é tudo apenas caricatura de Punta ( quando se diz só Punta, é Punta del Este, ok ?).


arquitectura...


mas arquitectura


na varanda

São quase 15:00, passo pela tradicional ponte com carcovas de La Barra, a ultima vez que por ali passei foi com um Monza a diesel, 20 anos atras ( na verdade era a gasolina, mas queimava mais oleo que gasolina, parecia aviao da esquadrilha da fumaça... ).


baia


la barra


curvas e vidrio


puente de la barra

A regiao evoluiu, ainda não passou do ponto, mas corre o risco... a medida que me aproximo da peninsula, muitos predios, condominios, tudo muito bonito, mas nao em cima da praia como por aqui, mesmo as torres estao "soltas" em meio a jardins, prato cheio pra arquitetos e admiradores... Passei por tras da peninsula, para Maldonado, rumo a Montevideo. O plano inicial era encontrar meu irmao e familia em Punta, estao num cruzeiro, mas inverteram as paradas em Punta e Montevideo, alterei a reserva que tinha em Punta, e segui pra Montevideo, no dia seguinte voltaria pra Punta... quem olha o mapa percebe que nao faz muito sentido, parece coisa de portugues, mas pensem bem, o objetivo é fazer a mirage rodar, entao ganhei mais 260km pra curtir a motoca ( o trajeto ida e volta entre Punta e Montevideo )... quando conto pros leigos, so balançam a cabeça...

Depois de alguma confusao em Maldonado, cheguei a ruta 1, a melhor do Uruguay, excelente, que liga Punta a Montevideo, segui ate o cerro Pan de Azucar, tem um trevo para Pan de Azucar, a cidade, prestem atencao, o cerro é pro litoral, a cidade é pro interior, pode confundir. Resolvi conhecer as serras uruguayas, na verdade nao passam de 500m de altitude, mas prum pais em geral plano como uma tabua, ate que ta bom. Tinha tempo ate chegar a Montevideo, o dia esta magnifico, muito sundown 30.

Abasteci num posto BR, na verdade Petrobras, o atendente fala portugues, morou em Rio Grande; a gasolina segue o padrao de todos os postos, tem 3 tipos, premium, super e especial, variando as octanas, testei todas, nao senti muita diferenca, todas elas provocaram um consumo maior do que com a brasileira, deve ser regulagem, essas coisas, pra mim é tudo rebinboca da parafuseta, mesmo... Pedi a especial, o cara me olhou, e pergunta: a comum ? isso aconteceu em varios postos, vai entender... sigo pela ruta 60, de Pan de Azucar a Minas, as serras sao realmente bonitas, as estradas continuam boas, agora com algumas curvas, e ainda mais vazias.. os uruguayos quando vem ao Brasil e pegam por exemplo o trecho sul da BR 101, um carro colado ao outro, buracos, desvios, stress total, devem ficar apavorados, coitados.


serras de minas

Tem um outro negocio interessante, de vez em quando tem um "puente angosto", uma ponte mais estreita, so passa um carro as vezes, outras 2 carros sim, mas nao um carro e um caminhao... como as estradas sao tao vazias, pra que gastar com puentes anchos (largos), nao vem ninguem mesmo.... a preferencia é sempre de quem esta em sentido Montevideo.


puente angosto

Nessa linha de pensamento, tambem chama atenção a padronização do pais, tipo, as placas sao sempre iguais, as rutas sao rutas, e nao BRs, SCs, RSs, etc, os postos de policia sempre do mesmo jeito, a Policia Caminera uma so; na verdade faz sentido, o pais é pequeno, 3,5 milhoes de habitantes, metade em Montevideo, é como se fosse um estado brasileiro, e nao dos maiores; deve ser mais facil de administrar...

E vou ondulando e serpenteando pelas serras uruguayas, a vegetacao faz perceber o clima mais frio do sul, apesar do calor do dia, muito vento, tons ocres e amarelos, palmeiras, manchas de vegetacao aqui e ali, seco sem ser arido. Uruguay, o pequeno pais dos grandes ceus, bacana, ne ? Rodo quase 1/2 hora, nem um carro, uma casa, nem ganado.

De repente o celular vibra no bolso da calça ( habilitei o roaming international da Tim, ainda nao recebi a conta... ), paro a moto no acostamento, ao lado de uma palmeira daquelas gorduchas, estao por toda parte, desde Chuy. Desligo o motor da moto, silencio... tiro o capacete, so o vento faz algum som.... cara, que sensação... o sol esta alto, sao 16:15, a mirage prata faiscando, atendo o telefone... Alo, Andre, aqui é o Joao, queria te fazer uma pergunta sobre o detalhe da calcada... é o engenheiro de uma obra em Blumenau, queria saber alguma coisa do arquiteto... surrealista ... Joao, falo contigo na semana que vem, pode ser ? ...

Será que o Uruguay todo tem sinal de celular ? Vou pesquisar.. Guardei o celular, peguei a camera, fotos, e deitei na vegetacao amarelada, a sombra da palmeira gorducha, escutando o silencio do vento... apesar do telefonema, o mundo real parecia muito longe, em outro planeta....


palmeira

Bom, findo o breve momento de reflexao, voltei pra mirage, tava impaciente, a dita... Nessas paradas no meio da paisagem sempre da um friozinha na barriga na hora de ligar a moto... vai que nao pega... mas nao, essa é valente ! logo esta roncando novamente, 7, 8.000 giros, rumo ao horizonte...

E rumo a Minas, cidadezinha simpatica, parou em algum momento dos anos 40 ou 50, devia ser em preto e branco.... pra conhecer o centro, hay que buscar la plaza e la catedral, la estão, nao tem erro. Faço uma volta completa na praça, arborizada, fonte no centro, pra interiorzão ta muito bom, tem um lugar com as costumeiras motonetas, paro a possante ao lado, me sinto o tal, tiro o capacete, tentando fazer cara do pistoleiro chegando ao vilarejo do velho oeste ... ,faz parte da brincadeira, ne ?...

Mal apeio da moto, chega um flanelinha, parece coisa seria, faixa refletiva, cracha da prefeitura, essas coisas, rapaz de uns 20 anos, por ai, peco pra ele sacar una foto, registrando a passagem de Andre the Kid por Minas City (...), o cara puxa conversa, ah, brasileno, coisa e tal, e desanda a falar de futebol, do Maracanazo de 1950, nem eu era nascido, caramba ... a nostalgia combina com a cidade em preto e branco... mas chegamos a conclusao unanime que no ultimo jogo das eliminatorias o Brasil teve sorte contra o Uruguay, que merecia ter vencido ... bom, o cara ganhou suas moedas, me explicou como chegar a ruta 8, para Montevideo, fui.


plaza de Minas

Não ainda, calor era tremendo, o pouco vento era quente, dava vontade de proteger as bochechas pra nao queimar, ei, olhem, uma heladeria, resolvi prolongar minha estada em Minas pra tomar um sorvete e uma agua; sentei num banco a sombra, ao lado da praça, relax. Mas agora vou mesmo, tenho que chegar a capital, e segui para a ruta 8. Uns 70 ou 80kms depois passei por Pando, e começam os suburbios de Montevideo, interminaveis semaforos, transito, mas tranquilo, nao se compara a Sao Paulo, por exemplo, Montevideo tem um jeitao de grande cidade do interior, apesar de seus quase 2 milhoes de habitantes. E segue-se pela ruta 8, caindo praticamente em cima da 18 de julio, avenida principal, por ela chegaria ao hotel Hispano, em varios relatos de motociclistas ele aparece, fiz reserva. Sao 20:00, o sol nao se cansa, nem o calor, devia estar perto dos 40 graus... Na 18 de julio tem que tomar cuidado com os semaforos, eles estao so nas laterais, nao pendurados sobre o cruzamento, e facil nao percebe-los vermelhos ...

Cheguei ao hotel, nao era la grandes coisas, mas da pro gasto... nao pretendo repetir. Estacionei na frente do hotel, tudo ok na recepcao, descarreguei as tralhas e fui levar a moto pro estacionamento, na quadra ao lado, mas na contramao, sofri pra achar o lugar, o suor me escorria pelo capacete... Mas enfim estava no quarto (standard, sem aire acondicionado, Montevideo é sempre fresquinho, pensei quando fiz a reserva...) É um daqueles hoteis antigos, o elevador tem uma porta pantografica barulhenta, mas o quarto era no 3o. piso, desisti, fui pela escada mesmo; a janela da prum poço, com mais janelas, a ventilação é minima, e no teto tem um ventilador daqueles que a gente sabe que esta quente por que ele gira bem devagar, com rangido... Banho frio, bermuda e camiseta, sai, escurecia, fui a praça Independecia, fonei ao Brasil, olha, to vivo, ainda nao bati a moto... Tadinho do meu velho pai, lembro dele, uns 30 anos atras, ele tinha minha idade, eu tinha idade do meu filho, me esperava ate de madrugada quando eu voltava de moto tarde, eu fechava o portao, ele recolhia a veneziana do quarto, finalmente em paz... Ainda bem que meu guri nao curte moto...

A praca Independencia é bonita, anoitece, o sol finalmente dava vez as luzes da cidade, o ceu azul transparente da noite ia meio que roseo escurecendo, predios antigos, arranha-ceus de quadrinhos antigos do super-homem, e a nova sede do governo, moderna torre de vidro, belo contraste, tinha lembrancas de uma Montevideo mais decadente, parecia agora mais viva, ou eu que mais velho nao a via tão antiga... E o calor, e as onipresentes palmeiras gorduchas. Muita gente na rua, familias, turistas na area peatonal adiante, mas nao se compara a efervescencia de Buenos Aires, é certo.


antigo


novissimo

O jantar foi um excelente entrecot a la plancha, papas com crema de ajo, uma cerveza "patricia" de litro, desceu muito bem naquele calor. Voltei ao hotel, as pracas continuavam povoadas, um discreto carro de policia vigiava tranquilo, ja era amanha, mas caminha-se tranquilo no centro de Montevideo, pelo menos no entorno da Plaza Independencia.


peatonal


antigo e novo


palacio brasil


plaza e fonte, é meia noite em Montevideo

O quarto do hotel parecia ainda mais quente, o ventilador ainda mais lento, e vizinho do poço de ventilação roncava a sono solto ... fui ao computador do hotel, ver emails, copiar as fotos do dia pro pendrive... nao foi facil, no modernissimo pentium II, com 128mb de ram, rodando windows xp, nao sabia que isso era possivel. Depois, ainda embalado pela Patricia, e pelo mormaço da madrugada, sucumbi. O vizinho parara de roncar, deve ter morrido de calor...

< dia 2  |  dia 4 >