7
Dia 7, sabado, 12/01/2008

Rosario do Sul a Blumenau, 950km

Depois do cafe, 7:00, por ai, de volta pra BR 290, rumo a Porto Alegre. A estrada esta boa, mas agora nao é mais a tranquilidade uruguaya, trânsito, e rapido, muitos argentinos seguindo para nossas praias, andam sempre de 120 pra cima. Como no Uruguay, muitos pedágios, mas nessa area do RS motos não pagam...

Em Porto Alegre, depois das 12:00, paro para abstecer e aproveito prum lanche, sigo, Novo Hamburgo, a serra muito pitoresca, cafes a beira da estrada, e platanos todo o caminho, o tempo fecha mas nao chove. Decido, se chover nao busco mais o pijama de plastico, seco no caminho... Finalmente curvas, os pneus estavam chatos das rutas mais ao sul, a mirage vai subindo tranquila, agora muitas motos na estrada, o pessoal aproveitando o fim de semana. Entrada pra Nova Petropolis, Caxias, Vacaria...


entrada para Nova Petropolis


Rio Pelotas

Entrei em Santa Catarina, vou fazendo as contas, será que chego no claro ? Nao vai dar... De Lages ate a BR470 por Otacilio Costa, a policia me para a 1a. vez na viagem, pra me avisar que o farol tava apagado... tinha esquecido de religar no ultimo abastecimento.... me passaram um pito mas nao multaram.

Chove por alguns momentos, para, seco, volta a chover, e vou descendo a serra, Rio do Sul, ja to praticamente em casa, logo esta escuro, é noite, ainda estou em Apiuna, agora Indaial, e pronto, cheguei em Blumenau, ja estou no centro da cidade, a cidade tranquila como sempre nessa hora, 21:35, abro o portao de casa, a mirage volta ao ponto do qual saiu 7 dias atras, 3.800km depois.


de volta pra casa...

Foi só um passeio, se comparado às grandes aventuras, mas quem pilota agora não é mais o mesmo que daqui saiu, mas sim o aventureiro, o cavaleiro solitario, desbravador de fronteiras (musica épica ao fundo, crescendo...rsrs)... lembro das noites de planejamento, os percursos traçados nos mapas, de todos os relatos que li, os livros de viagens de moto, desses viajantes que resolveram ir atras dos seus sonhos, agora posso entender melhor o que os move...

A valente Mirage 250 nao decepcionou, muito pelo contrário, nenhuma pane, problema, nada; quem acha a mirage inadequada pra uma viagem longa nao andou numa, nao sentiu o motor funcionando redondo, o giro subindo rapido, firme, sem trepidações, engasgos, vencendo serras, vento, chuva, proporcionando prazer de pilotar em cada quilometro, a sensação de confianca na máquina.

Desliguei o farol, tirei a chave da ignição, contente por estar em casa, mas já antecipando a proxima partida, uma estrada ondulando rumo ao horizonte... dei um tapinha carinhoso no tanque da lambreta, e agradeci a companhia... a aventura tinha terminado.


Proxima aventura...

< dia 6  |  Links >